Nossa recente reportagem publicada sobre um dia no grupo de Zap Bolsonarista, além de reverberar diversos sentimentos nos leitores, despertou nos mesmos uma curiosidade para saber o que acontece dentro de um grupo de terraplanistas, foram dezenas de solicitações.

Depois de passear por fóruns e grupos, nem tão undergrounds, entramos em dois grupos terraplanistas, um no Telegram e outro no WhatsApp.

Nos grupos, um dos assuntos mais comentados, além de teorias da conspiração, trechos bíblicos e “diversos fatos irrefutáveis da terra plana”, era o novo Coronavírus.

Motivo de preocupação, afinal, informações falsas sobre o vírus são um problema de saúde pública.


08:45

fake news sobre coronavírus

A Fake News dos alimentos alcalinos, que circula nas redes bolsonaristas desde o início de março, como se pode ver, também foi enviada no grupo terraplanista.

Embora o Telegram possua uma opção de denunciar uma mensagem específica, ainda não se sabe o quão efetivo é esse sistema.

Foto: Reprodução Telegram

Qualquer semelhança não é mera coincidência

Público alvo, no marketing, é um grupo de pessoas com um perfil semelhante. São indivíduos com interesses, hábitos, crenças e vários outros aspectos em comum.

Se a Fake News dos alcalinos faz sentido para esses dois públicos, isso significa que pode existir similaridades entre eles. É o que vamos descobrir.

09h01

Outra Fake News

Sim, as Fake News também são bem comuns e correm supersonicamente nos grupos terraplanistas. O link, encaminhado e mais tarde retirado do ar, com uma notícia falsa do site “brasilsemmedo.com”, informando a morte do líder supremo da Coreia do Norte, Kim Jong-un, foi visto por 14.7 mil pessoas. Detalhe para o trecho “grande dia!”.

Neste mesmo site, é possível encontrar artigos de Olavo de Carvalho, entre eles, o mais recente publicado, ataca a China, algo que soa como um “bom dia” no grupo bolsonarista.

A organização de combate à desinformação, Somos 99, há 3 anos organiza com base em critérios específicos e metodologia, um ranking dos sites brasileiros menos confiáveis, confira a edição deste ano aqui.

Clube dos negacionistas em busca de sentido na vida

Não se trata de ignorância, como aponta Adrian Bardon, professor de filosofia da Wake Forest University.

Normalmente, para responder à pergunta feita na imagem abaixo, bastaria dizer que não se tratam de pêndulos e sim de gruas para construção de edifícios.

Caberia explicar que há um equívoco com o experimento do pêndulo de Foucault, até hoje tido como uma das tantas provas mecânicas da rotação da Terra.

Reprodução/Telegram

No entanto, com o efeito da explicação, a narrativa: “gruas são pêndulos e, se não giram, é porque a terra é plana” se tornaria ainda mais forte, com muitos mais argumentos.

Bardon e cientistas sociais chamam esse efeito de “Raciocínio motivado”, o processo de decidir em quais evidências acreditar baseado na conclusão que se prefere.

Isso não está ligado à inteligência porque o maior motivador deste processo é a polarização ideológica.

Ou seja, cristãos possuem uma tendência maior em crer na ideia da terra plana, bem como, empresários da indústria descrer no aquecimento global e bolsonaristas (que veem bolsonaro como uma religião) negar que existe o Coronavírus.

Todo esse processo está ligado a uma necessidade bem básica de manter ou criar um identidade, uma busca de sentido na vida.

Entre tantos meios hábeis de viver e encontrar sentido, escolher ser um negacionista pode parecer estranho, entretanto, para esse público, é a maneira que encontraram de fazer novas amizades, entrar grupos em comum, ir a eventos, participar de discussões, ganhar dinheiro, criar uma teoria, se sentir valorizado, e entre tantos outros desejos, tão comuns em todos nós.

O que separa os terraplanistas dos globalóides é a história de vida.


Fatos contundentes, que fariam qualquer um duvidar e deixar de ser “Globalóide”

“Enquanto isso…no mar do Japão”

Não há o que dizer, só sentir.

12h18

um diálogo comum no grupo

O líder do grupo envia uma mensagem alertando da maior mentira de todas, então explica:

“Todos os planetas, a lua e o sol estão dentro de um domo e são extremamente menores que a terra”. Por fim, sugere que vejam mais explicações em seu canal no Youtube.

Em uma das respostas, um membro questiona: “o que os “globalistas” ganham com essa enganação?“, outro, lamenta a alienação do ser humano, se mostrando indignado, pois mesmo com “provas”, não é aceito que a terra é plana…

13h02

Teorias da conspiração alucinantes

Um longo texto explica que, em Latim, “Corona” significa Coroa, e não por acaso, está na logomarca da OMS (Organização Mundial da Saúde) e ONU (Organização das Nações Unidas), retratada como uma coroa de louros.

(…)é um símbolo da vitória e da conquista, utilizado pelo D-us pagão, Apollo e mais tarde pelo rei Júlio César, como um sinal “puramente luciferiano”. Exatamente por isso, o conjunto de missões espaciais coordenadas pela NASA entre 1961 e 1972 foram chamadas de “Apollo”, pois mostraria que D-us estava errado, seria uma “uma capa de decepção do Gênesis”(…)

Reprodução/Telegram

O texto, muito confuso, demonstra que existe um desenho da terra plana nas logomarcas, cercada pela coroa de Apollo, além do emblema estilizado de Hermes (OMS), o mensageiro dos deuses.

O comunicado da OMS afirmando que o vírus se espalhou por quase todo o planeta, mostra como tudo faz parte de um plano, um sinal oculto.

Por fim, ainda é citado uma frase do personagem da série de filmes “Star Wars“, Darth Sidious: “Tudo o que aconteceu, aconteceu de acordo com o meu projeto”.

14:35

Farinha do mesmo saco

Ao entrar no grupo, por um instante a grande quantidade de apostilas, textos, traduções, vídeos, filmes e documentários pode passar a impressão de uma seara diferente, mais interessada pelo conhecimento e questionadora.

Mas basta olhar um pouco mais de perto, para perceber que tudo é sustentado em crenças, principalmente religiosas.

Uma alucinação coletiva capaz de criar ou adaptar a”teoria da arquitetura unificada”, onde comparam desenhos em madeiras com o planeta Júpiter.

Reprodução/Telegram
Reprodução/Telegram
Reprodução/Telegram

“Eu não consigo entender como alguém se diz cristão e mesmo assim persegue terraplanistas.”

19:35

Plano da china

Mais uma vez, um longo texto explica como a pandemia faz parte de um plano da China. Detalhadamente, é descrito cada etapa do processo de dominação mundial.

Um dos integrantes relata: “Estou mantendo eu e meus parentes informados sobre o coronavírus somente com os vídeos do [canal do youtube sobre terra plana], já analisei outros canais e tem muita desinformação e politicagem!”

“No dia seguinte os chineses voltam a comer morcego, só que dessa vez milionários!”

Reprodução/Telegram

Como entender um terraplanista?

Em uma série de episódios de podcast sobre negacionismo, o apresentador Celso Loducca entrevistou Jota Marthins, terraplanista, criador do canal “Sem Hipocrisia”.

Logo no início, Celso pergunta sobre sua formação acadêmica, e a resposta foi meramente “prefiro não divulgar”, justificando que o modelo apresentado não depende de formação. Nas próprias palavras:

“O modelo da terra plana tem uma ciência mais simplificada, uma ciência de acesso para todas as pessoas”.

Jota Marthins

Durante a entrevista é possível perceber, no relato de Jota, características bem comuns, encontradas nas conversas aqui relatadas, em síntese, seres criando realidades próprias.

Um real confortável, sem muitas dúvidas, simples como um globo de neve.

Como viver em um mundo, onde a realidade é feita por inimigos invisíveis? Como viver em um mundo, onde não sabemos de onde viemos e para onde vamos?

A resposta, neste caso é simples: crie uma realidade que possa suportar, seus próprios cálculos matemáticos, explique o mundo e encontre pessoas que concordem com você.

Autor

Formado em Marketing, estudante de Psicologia, autor do livro infantil sobre educação inclusiva "Universos Diversos". Escreve sobre desenvolvimento pessoal, coletivo, social, humanitário e universal no site "MundoInterpessoal.com".

Escreva um Comentário